sábado, 7 de março de 2009

Raiva eclesiástica.

Cá pra nós, o que vai mudar na vida prática das pessoas que receberam a excomunhão pelo aborto da pequena menina de 9 anos? Por ter recebido educação católica sei que não poderão mais comungar, casar, ou receber nenhum dos sete sacramentos. Pois bem. Não poderão mais naquela cidade e durante algum tempo, pois pelo que sei a igreja não mantém um cadastro nacional unificado das fotos e das digitais de seu rebanho, concluindo-se então que daqui a pouco, em outra cidade, se assim acharem necessário, os excluídos poderão voltar a ter uma vida católica normal. E a garota? Que vida ela voltará a ter? A igreja manifestou-se apenas para condenar o que chama de holocausto moderno, mas em momento algum para oferecer ajuda emocional, financeira e em último caso, espiritual. Não sou defensora do aborto, sou cristã. Por isso mesmo não julgo a decisão médica e familiar em interromper a gestação dupla de uma criança de 9 anos!!!! Só não entendo a postura radical, raivosa e nada benéfica da igreja. Além de paradoxal, pois abortar não pode, mas estuprar, pode... Talvez pq, se a moda pega, imagina a quantidade de padres sendo excomungados... Bom, vou ficando por aqui, antes que sobre uma excomungaçãosinha pra mim.

Um comentário:

Jé disse...

Não sei se vc chegou a ver a entrevista do bispo na Veja, mas, nem o nome da menina ele sabe, e já estava querendo fazer uma mega festa para o batizado. E quanto a ajuda...nenhuma. Por isso que não gosto de padres, sei que não posso generalizar, mas pedofilia pode, e o pior, já que ele achou a excomunhão tão importante, isso não foi feito com o estuprador....vai entender os dogmas tão ultrapassados da igreja!!! Esse é um assunto que me deixa com muita raiva.