segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Oitavo Capítulo - Do Dia Seguinte

“O dia seguinte foi tenebroso. Carol não sabia que roupa vestir, que perfume passar, se passava perfume, pois poderia dar bandeira que queria estar cheirosa e maravilhosa. Chegou a trocar de roupa 4 vezes, passou gloss e rímel, tirou tudo, decidiu não ir à escola, mas depois percebeu que assim daria mais bandeira ainda. Na verdade queria parecer que não estava nem aí. Mas estava aí sim. Estava aí pra caramba!!! E pior, estava a-p-a-v-o-r-a-d-a!!!!


Coitada, apesar de parecer descolada, de ficar com uns carinhas, ela não tirava essas coisas de letra. Ainda mais quando estava envolvidíssima, para não dizer apaixonada. Pois bem, lá foi ela em direção ao colégio.

Antes de entrar na escola, foi direto ao banheiro verificar se estava tudo nos trinques. Cabelo, roupa, dentes, gloss , e hálito. Vai que ele decide cumprimentá-la com um beijo na boca...Não podia correr o risco de estar “bafenta” e por isso lascou um chiclete de melancia. Respirou fundo e foi. Com a barriga parecendo estar sofrendo um vendaval, cumprimentou um a um como fazia sempre. Tanto nos meninos quanto nas meninas o hábito era dar um beijinho na bochecha de cada um. Olhou de relance e viu que o próximo era o dito cujo. Respirou fundo e foi cheia de si em direção ao seu rosto. No meio do caminho até sua bochecha, Danilo, muito mais cheio de si, virou e deixou que a boca de Carol seguisse diretamente até a sua. Ela gelou. A galera riu. E Danilo, além do beijo, cheirou seu cabelo e sussurrou um elogio: você está linda!

O sinal tocou e, como estudavam em classes diferentes, despediram-se e cada um seguiu para seu corredor. A galera estava em polvorosa. Não se falava em outra coisa. Até por que não era normal o Danilo beijar uma garota em um dia e no outro continuar beijando. Carol estava pensando exatamente nisso. O que será que estava acontecendo? Será que ele estava afim mesmo dela? Será que ele também estava inseguro, com vendaval no estômago, roendo as unhas??? Nãooooo, o Danilo se achava muito para isso... Será? Essas respostas ela só saberia com o tempo.

Na verdade não era isso que estava parecendo. No intervalo, foi até a sala de Carolina buscá-la. Danilo era muito xavequeiro. Um de seus métodos de conquista era seu bom humor. Só falava besteira e todos ao seu redor riam como uns tontos. Carol era uma dessas pessoas e era fã confessa dele, mesmo antes desse “namoro”.

No intervalo Danilo não deixou Carol sozinha. As meninas não conseguiam falar com ela. Uma loucura. Queriam saber de tudo, mas ficou impossível. Até esse momento Carolzinha não tinha conseguido sequer dimensionar o que estava acontecendo. E o pior , estava se deixando levar pelo belos olhos castanhos do safado do Danilo. Seus belos olhos, seu cheiro delicioso, seu sorriso iluminador, seu humor inteligente, tudo, tudo, absolutamente tudo a deixava atordoada.

Danilo sugeriu, ao final da aula, acompanhá-la até a sua casa. Aí Carol achou demais. Prudência, canja de galinha e dinheiro no bolso, como já dizia o compositor, não faz mal a ninguém. E Carolina levava isso a sério. Melhor não arriscar, né?! Vai que ele decide pedi-la em casamento...

Mas sabe, ao chegar em casa, deitar na cama, e refletir sobre como tinha sido o dia, um belo sorriso e um discreto frio na espinha surgiram como reflexo de seu sentimento. Isso era um problema. Mas convenhamos, um delicioso problema.”

3 comentários:

c.o ;) disse...

Gosto muito do jeito de Carol...."pagar pra ver"...hehehe
Acho que parece um pouco comigo...
Beijocas

Rosana disse...

Até eu senti o frio na barriga....

Quero saber o que vai acontecer, vc tem que postar 2 ou 3 vezes por semana!!!!

bjsssssssssssssssssssssssssss

ellenkris disse...

agiliza lilian. meu minha mae soltpu os cachorros ne?? ahah