quinta-feira, 11 de setembro de 2008

18/08/08

Esse é meu primeiro texto no blog. Na verdade a primeira de várias histórias que virão. Ai que frio na barriga, estou até emocionada... rsrsrsrsrs...Tenho a sensação de estar aqui, iniciando um marco em minha vida e na vida dos meus futuros leitores.
Por isso escolhi "postar" esse texto que escrevi em 18 de agosto, um dia importante para mim, pois tive o prazer de conhecer o inusitado Ignácio de Loyola Brandão. O cara é bom!
Então, vamos a ele!
E se puder, comente. Eu gosto.
Have a fun...

Segunda-feira, 18/08/08, data cabalística talvez, fui a Bienal do Livro assistir a uma palestra do genial Ignácio de Loyola Brandão. Como disse, a palestra foi simplesmente genial. Simples de simplicidade mesmo. O cara é tão simples, que fica mais genial ainda. E genial, porque ele é genial mesmo. Fiquei mega nervosa. Mas queria que ele me notasse. Por isso, durante a aula-palestra fiz comentários, ri, me interessei, curti mesmo. Não só para chamar atenção, mas pq o cara é tipo o Romário, é o cara mesmo. Mas que fique claro, é o cara como o Romário e não como o Maluf. Ignácio é inteligente, cínico, engraçado, interessante, ouvi-lo é extremamente prazeroso. Um de galanteador. Deve ter sido, ou ainda é, conquistador competente. Contar histórias é seu ofício, tanto na escrita quanto verbalmente. No fim, pedi autógrafos, trocamos e-mails, nos abraçamos, nos beijamos, dei-lhe um lápis que comprei na FLIP, apesar dele ter dito que só escreve com caneta tinteiro. Escrevi um e-mail, quem sabe ficaremos amigos. Para mim seria fantástico se ao menos ele respondesse o e-mail, imagina amigos!!! Seria afrodisíaco!
Todavia, uma outra coisa me chamou a atenção naquele dia. Um flerte que presenciei. Foi no mínimo estimulante. Pois bem, logo após a palestra do Loyola, dei umas voltas pela Feira e lá pelas 20h00 tinha uma palestra imperdível sobre Clarice Lispector com a professora da USP Yudith Rosembaun, especialista em Clarice. Essa palestra se deu no espaço criado pelos postos Ipiranga para debates literários. Boa iniciativa, dá movimento à feira. Honestamente não me recordo os nomes dos outros participantes, e mesmo que me lembrasse não os citaria, por motivos óbvios. Talvez causasse até problemas, pois um dos mediadores é o protagonista desse flerte que foi delicioso de se assistir.
Logo iniciada a explanação, um dos jornalistas que também era o mediador passeou seu olhar pela platéia. Foi aí que ele se encantou. Impressionante. Foi como se ele estivesse vendo, sei lá, a Juliana Paes, ou para outros, a Mariana Ximenes. Puts, o cara ficou louco. E o pior para uma mulher como eu, era que o alvo desse desejo era magra, delicada, meiga, com uma sandália rasteirinha, unhas pintadas de branquinho-transparente, uma saia de tecido delicado e uma regata. Delicadeza e recato. Totalmente diferente de mim... rsrsrsrsrsrs... Bom, voltando ao flerte, era como se cara quisesse parar a palestra e fosse ter um chega mais com a moça. Ele quase não estava se controlando. Seu olhar era devorador, curioso, intrometido mesmo. Se fosse comigo, ficaria com vergonha e me olharia para ver se não estava com alguma coisa errada na roupa, ou coisa parecida. Sua destreza como mediador foi colocada a prova. Mas ele se deu bem, pois apesar de estar completamente envolvido com a garota, ele não se perdeu em nenhum comentário e em nenhuma pergunta. Haja profissionalismo. Rsrsrsrsrsrsrsrsr.
Pois bem, aquela situação não era apenas inusitada pela sede do moço, mas também porque na posição que eu estava não conseguia ver as reações dela. O que será que ela estava achando daquela situação? Seria ela solteira? Será que ela era uma paixão antiga, há muito perdida pela correria do dia-a-dia? Será que a atração era recíproca? Será que ela não estava se sentindo invadida? Será que depois dali eles começaram um relacionamento, foram jantar, fizeram amor? Ou apenas ficaram amigos? Ou pior, nem se falaram? Já pensou se o marido dela foi encontrá-la ao fim da palestra? Eita, já pensou... Pensar foi o que mais fiz, aquela situação mexeu comigo a ponto de sonhar e imaginar o que aconteceu depois que fui embora, tamanha a persuasão do olhar daquele rapaz. Ser olhada daquele jeito, com interesse, tesão e curiosidade, sem ser invasivo demais, é desejo de toda mulher. Sou olhada daquela maneira ainda pelo meu marido, pode crer. Com mais paz, claro. Mas sou olhada. Porém imaginar um homem desconhecido, interessante, atraente e inteligente como aquele me admirando é altamente eletrizante. Causa inveja.
Cheguei a conclusão que os “serás” são muitos. A única certeza é essa “instigância” da vida, com suas várias alternativas, vários caminhos, vários possíveis finais. E claro, a certeza de que tudo se inicia com um olhar. Um agradável e instigante olhar.

5 comentários:

Manu Vanzella disse...

Lilian, parabéns pelo blog...tenho certeza que vc vai se sentir mais realizada a cada dia...torço por vc!
Bjs, Manu

ellenkris disse...

Adoreiiii!! Secesso!

Vai ver que depois da palestra ou ela deu uma "gozada" com o camarada, ou se era casada colocou um belo chifre no marido (coisa que nao e de se duvidar hj em dia).

Amiga adorei o HAVE FUN...I HAD!
Tuda sorte do mundo p vc.
Uma leitora INTERNACIONAL vc ja tem heim, EU ek. kisses ek

Lilian Camila Costa Perez disse...

Galera, obrigada pela Força!!!!!

Lilian

ellenkris disse...

FALA MULHER! VOU LE AQUI P GALERA DE CASA O SEU TEXTO HEIM. ESTAMOS ESPERANDO O PROXIMO! SAUDADES EK

Jéssica disse...

Liiiiiiiiiiiii!!!
Adorei o texto...até eu estou pensando no que pode ter acontecido depois...Você não ficou nem para saber se eles conversaram?? Ai que curiosodadeeeeeeeeee....
Imagino como vc está feliz, e eu também por ver que vc começa à realizar um sonho!
Que ele venha com tudo e que se realize com muito sucesso.
Que Deus te ilumine sempre.
Beijos de quem te amo muito - Jéssica